Grupo de Oncologia Pediátrica

O Câncer

Atualmente, cerca de 70% dos casos de câncer das crianças e adolescentes podem ser curados. Isto deve-se ao avanço no diagnóstico precoce, novas técnicas de tratamento e novos agentes citostáticos desenvolvidos na duas últimas décadas.

Câncer infantil é um grupo de doenças caracterizadas pelo crescimento desordenado e anormal de células. Podem ocorrer em qualquer célula do organismo.

Os sintomas são inespecíficos, por isso, os pais devem estar atentos, visto que muitos deles parecem-se com doenças comuns da infância, por exemplo:

CélulaDiagnósticoPrincipais Sintomas
Glóbulos brancosGlóbulos brancosPalidez, sangramento, dor óssea, maior suscetibilidade à infecções, etc.
Da retinaRetinoblastomaFotofobia, "reflexo olho de gato"
Gânglios simpáticosNeuroblastomaMassa abdominal "tumor"
Sistema nervoso centralTumor cerebralDor de cabeça, vômitos, alterações motoras e/ou cognitivas, etc.
ÓsseaSarcomasDor no joelho

Uma vez que os sintomas são inespecíficos, visita regular ao pediatra é imperiosa.

Os tumores na infância são predominantemente de tecido conjuntivo, enquanto no adulto são, em geral, de tecido epitelial.

Nos adultos, os tumores estão, geralmente, associados a fatores ambientais (cigarro, agentes químicos, asbesto, etc.) enquanto na infância e adolescência esta associação não está claramente definida.

A ênfase atual é o diagnóstico precoce, onde o prognóstico é usualmente mais favorável.

O tratamento deve ser iniciado após um correto diagnóstico e estadiamento da doença.

Por ser um tratamento complexo e multidisciplinar, cada caso deve ser individualizado. O trabalho coordenado de várias especialidades (radiologia, cirurgia, radioterapia, patologia, etc.) é essencial para o êxito no controle da evolução e cura da doença. Além do controle da doença em si, faz-se importante salientar o contexto familiar, desde o início do tratamento. A participação integral dos pais é fundamental. O conhecimento da doença, sua evolução, seu tratamento e controle deve ser discutido abertamente com o médico.

1999 - 2017 - Grupo de Oncologia Pediátrica - Todos os Direitos Reservados